Falando sobre os evangelhos apócrifos

Nunca se falou tanto dos evangelhos apócrifos como neste tempo em que vivemos. Tamanha disseminação das mensagens encontradas nesses textos me leva ao convencimento de que é chegada a época de serem desvendadas as verdades que por séculos ficaram encobertas. A Bíblia não é a mensagem única de Deus, não contempla em si todas as verdades religiosas nem históricas, uma vez que existiram bem mais evangelhos sobre o cristianismo do que aqueles insertos na Bíblia (Marcos, João, Lucas e Mateus).

E os outros evangelhos apócrifos? Que destinos lhes foram dados? Sabe-se que ocorreu verdadeira caça às bruxas. Muitos foram queimados ou perdidos por se oporem frontalmente às bases do cristianismo colocadas na Bíblia. O decreto Gelasiano assinado pelo Papa Gelásio, falecido em 496, continha uma lista de sessenta livros apócrifos do segundo Testamento, os quais deveriam ser evitados pelos cristãos. Mais da metade deles foi parar, infelizmente, na fogueira. Daí, a importância da descoberta de evangelhos como o de Maria Madalena e o de Judas, resguardados, certamente por forças espirituais, milagrosamente escondidos, para no futuro serem, enfim, revelados a todos, tal como vem ocorrido...

Leia mais sobre evangelhos apócrifos no livro digital: “Evangelhos apócrifos e o Jesus real” e em “Viagem à cidade espiritual de Necanerom

Luz, Amor e Alerta.

- Moacir Sader